One Reply to “Nota do Presidente da LABRE sobre o CW”

  1. Sei que o assunto é polêmico demais e que existe uma relutância dos “mais antigos” em relação ao CW. Entretanto, essa modalidade não determina caráter, capacidade técnica ou ética de absolutamente NINGUÉM, sendo apenas uma exigência desnecessária para alimentar o ego de “meia dúzia” de egocêntricos que acreditam ser melhores do que os outros por saberem manipular. Em pleno século 21, isso é um absurdo sem precedentes e deveria ser condenado e combatido pelos próprios órgãos fiscalizadores. Não há mais espaço para nenhum tipo de segregacionismo ou discriminação neste país. Não sou contra a existência do CW, apenas não há mérito algum impedir pessoas de ascenderem ao serviçoi ou às classes B e A por não saberem manipular. Conhecemos (todos nós, você e eu) diversos radioamadores antigos e novos que não respeitam nenhum tipo de norma social, quem dirá ética operacional. Saber ou não manipular/ouvir/transmitir CW não é prova de caráter ou capacitação técnica. Eu mesmo, tentei por diversas vezes aprender e não consegui, mesmo sendo músico e tendo ouvido absoluto. Tenho interesse no CW mas não consegui aprendê-lo. Isso define meu caráter? Certamente que não. Apenas o que se conseguiu com essa limitação ridícula é que o grupo escoteiro ao qual pertenço desde criança, nunca foi inserido no radioamadorismo por conta de que eu não pude ascender à classe A devido ao CW. Jovens que se mostraram interessados mas que não têm renda para adquirir equipamentos CAROS, dependiam da minha disponibilidade de tempo de desmontar minha estação e levar para o grupo, uma vez que as regras impediam de que o grupo adquirisse seu próprio equipamento. Isso também impediu que o grupo participasse em plenitude das atividades de radioescotismo, o JOTA-JOTI, porque a faixa de 40 metros onde ocorre a atividade em fonia é “exclusiva” aos super dotados radioamadores classe A. Qual a lógica didática disso? Nenhuma.
    Repito: Sou curioso por demais em relação ao CW, acredito até mesmo que a modalidade deva ser fomentada e perpetuada com muito fervor, mas não criando “clubinhos particulares” em um serviço de acesso pelo cidadão e ainda mais com apoio de entidades como o órgão regulador.
    Em fim, não foi minha intenção ofender ninguém ou nenhuma ideologia, mas a verdade é que exigência de CW não impede pessoas de mau caráter de comprarem equipamentos e fazerem “balaio” em nenhuma frequência, independente de banda.
    Vou parar por aqui, pois já me fiz entender.

    P.S.: APOIO A EXISTÊNCIA E PRESERVAÇÃO DO CW, POIS RECONHEÇO SEU MÉRITO PRINCIPALMENTE QUANDO A “VOZ” NÃO CHEGA.

    Atenciosamente,

    Sadi A. Nogueira
    PU1KGJ

    Indicativo : PU1KGJ
    Labreano : NÃO ASSOCIADO
    3
    1

Deixe uma resposta

O campo marcado com asterisco vermelho, é de preenchimento obrigatório. "palavras ofensivas ou de baixo calão não serão publicadas"

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Deseja associar-se? procure a LABRE do seu Estado e se necessário entre em contato com secretaria@labre.org.br. Agradecemos seu interesse em apoiar as ações da LABRE, em benefício de todos nós. Lembramos que o interessado pode associar-se a LABRE de qualquer Estado, nos termos do Art. 35 do Estatuto da LABRE

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.