DX no VHF e UHF em DIGITAL VOICE

DX no VHF e UHF em DIGITAL VOICE

Por Fabio Poli, PY2LY

Inspirado na publicação do QTC ECRA sobre um contato de mais de 700km em 432MHz entre as ilhas de Porto Rico e Curaçao no Caribe, usando o Dstar (link da matéria no final, para quem não leu) e aproveitando essa época oportuna para DX nas bandas altas, vamos aproveitar para buscar DX em Digital Voice, DSTAR, C4FM e DMR. A ideia aqui é comentar umas condições interessantes de propagação em VHF e UHF variando conforme regiões e latitudes, com o desafio de fechar os contatos em DMR ou C4FM ou Dstar.

O O DMR e C4FM se baseiam num Vocoder moderno de Voz em 4FSK com avançado sistema de correção de erro, o que permite conseguir contatos iguais ou melhores do que seria em FM, favorerecendo ainda mais um contato direto a longa distância. A razão, bem simples, é o tipo de modulação e os circuitos de codificação-decodificação mais eficazes que nossos ouvidos.

Mesmo com 5W conectado a um bom sistema irradiante é possível um contato de centenas de km rádio a rádio, sendo um feito mais recorrente do que podemos imaginar. Há aberturas tradicionais e frequentes como contatos entre São Paulo e o Sul.

Existem alguns modos de propagação VHF e UHF que favorecem o DX.  U m deles é a Trans-equatorial que permite DX de mais de 5 mil Km e que deve ter sido o fenômeno que possibilitou esse contato na América Central. A mais comum para DX no Brasil é Troposférica por INVERSÃO TÉRMICA, que é recorrente por todo globo.

Um modo simples de detectar essas aberturas é escanear todos os canais de Repetidores tanto em analógico como em DV, de preferencia entre as 20hs até umas 9hs do dia seguinte, quando poderá receber repetidores VHF e UHF de outros Estados e assim combinar contatos ponto a ponto em FM, SSB e Digital Voice.

O QUE É A INVERSÃO TÉRMICA?

O normal na Troposfera é que a camada de ar quente fique embaixo devido ao aquecimento do solo pelo sol durante o dia, acumulando essa massa de ar na parte baixa. À medida que nos afastamos do solo em altura, a temperatura vai caindo, até uns 12km.

A inversão térmica é quando esse ar quente menos denso sobe e o ar frio desce ao solo, formando uma camada de ar quente menos denso entre duas camadas frias, o que costuma ocorrer no início da madrugada até as primeiras horas da manhã, às vezes permanecendo por dias, principalmente no inverno.

Sabe quando estamos na estrada sob forte calor e vemos longe o asfalto espelhado como água, ou as famosas miragens no deserto? Isso acontece porque o ar rente ao asfalto fica extremamente quente e pouco denso, o que faz com que ele acabe espelhando o céu. Em VHF e UHF o efeito é o mesmo quando ocorre inversão térmica, só que imaginando o plano invertido com ar menos denso em cima formando um duto de visada entre as camadas frias.

Esse duto por vezes faz o sinal navegar com a eficiência de uma visada direta, possibilitando acionar Repetidores distantes até de HT com a própria antena principalmente em UHF e contatos ponto a ponto de centenas ou milhares de KM, similar aos contatos espaciais de centenas de quilômetros com miliwatts.

Uma abertura muito comum é entre SP e Paraná, por vezes se estendendo a Sta. Catarina ou Rio Gde do Sul, no caso pelo efeito de inversão térmica que também ocorre em várias partes do Brasil principalmente quando há deslocamentos de massas de ar polar ou frio.

Um fenômeno interessante é que, sempre que SP consegue contato com o sul, podemos prever que logo chegará uma massa de ar frio proveniente do sul baixando a temperatura em SP. Outro fato é que a camada de AR Frio que desce costuma trazer junto a poluição, sendo também um indicador desse fenômeno. Enfim, se a previsão do tempo indicar que entrará uma massa de ar frio, se preparem para conseguir um contato especial.

No DMR muitos países têm adotado as frequências de 145.510, 145.790 e 433.450 MHz, Color Code 1 e TG99 para chamados rádio a rádio. A vantagem de um padrão internacional é de facilitar inclusive contato com países vizinhos sendo recomendado adotarmos esses parâmetros no Brasil. Para contatos do dia a dia podemos usar qualquer frequência conforme o Ato 9106/2018 da ANATEL.

No C4FM System Fusion encontrei algo citando 147.525 e 146.780, nada sobre UHF. Essas acabam conflitando e se vale uma sugestão poderiam ser usadas 145.530 e 433.470, mas fica a decisão a cargo dos utilizadores. O mesmo ocorre ao Dstar que pela falta de definição poderiam ser definidas 145.550 e 433.490, assim ficam faceis de conciliar entre os modos.

A experimentação, o aprendizado e os desafios fazem parte do radioamadorismo. Que tal aproveitarmos essa época do ano propícia a propagação em VHF, e principalmente em UHF, para fazer história registrando contatos DX rádio a rádio em Digital Voice?

Forte 73 de Fabio Poli PY2LY

LINKS INTERESSANTES:


Warning: file_exists(): open_basedir restriction in effect. File(/home/labreor1/public_html/wp/wp-content/uploads/et_temp/ant-sat-150x150-40626_1080x675.png) is not within the allowed path(s): (/home/labre/:/tmp:/opt/remi/php74/root/usr/share:/usr/local/php/7.4/lib/php:/usr/share:/etc/pki/tls/certs:./:/dev/urandom) in /home/labre/www/wp-content/themes/Divi/epanel/custom_functions.php on line 1488
Oficina sobre Satélites Radioamadores

Oficina sobre Satélites Radioamadores

Oficina sobre Satélites Radioamadores

O Grupo de Comunicações Espaciais da LABRE/AMSAT-BR promoverá sua primeira Oficina sobre Satélites Radioamadores. Será no dia 7 de maio de 2017 no Centro Max Feffer na cidade de Pardinho/SP.

A oficina ensinará princípios e técnicas úteis na montagem de uma estação terrestre para receber sinais dos futuros satélites geoestacionários com transponders do Serviço de Radioamador por Satélite.

Serão abordados assuntos como Rádio Definido por Software (SDR), o funcionamento do LNBF, gerador de 10 GHz de baixo custo para testes, antenas parabólicas, apontamento e recepção do satélite, funcionamento de transponders e espectro eletromagnético.

Será ainda oferecida gratuitamente uma antena parabólica offset com 1,2 m de diâmetro aos participantes que cumprirem as orientações expostas no site da AMSAT-BR.

Não perca esta grande oportunidade se reunir com os praticantes de comunicações espaciais e trocar informações para o desenvolvimento de sua estação.

Informações e inscrições em: http://www.amsat-br.org

Foto: Radioamador William Schauff, PY2GN, um dos organizadores do evento, com antena offset que será utilizada na oficina.

http://www.facebook.com/labregde

LABRE-MT desmantela interferência na repetidora de Cuiabá

A LABRE- Liga de Amadores Brasileiros de Rádio Emissão do estado de Mato Grosso, identificou o equipamento que estava causando a interferência na repetidora PY9MSJ que atende toda a baixada cuiabana. A interferência intencional ocorria por meio de “bips” e fonia do emissor de forma a denegrir os usuários homologados pela ANATEL, com xingamentos e interferindo nos comunicados.

Após cerca de 30 dias consecutivos desta ação, os radioamadores da baixada cuiabana se empenharam em fazer uma operação “caça a raposa”. Muitos colegas usaram seus equipamentos para rastrear o sinal emissor na capital Cuiabá-MT e na cidade vizinha de Várzea Grande-MT, porém sem sucesso. Então, a diretoria da LABRE, munidos de uma antena direcional e um rádio portátil “all-mode” de VHF, puderam rastrear a origem do sinal malicioso e mapear a proximidade e a origem do sinal. Com base nestas coordenadas a Labre-MT formalizou uma denúncia no sistema Focus da Anatel- Agência Nacional de Telecomunicações, órgão competente da União para outorgas e fiscalização do espectro. Também protocolou junto à agência da Anatel em Cuiabá-MT um pedido de urgência, para que o responsável fosse identificado e o sinal desligado.

Passando-se alguns dias, nenhuma ação foi tomada pela Anatel, por motivos desconhecidos. Então a equipe resolveu sair a campo e agir, identificando o sinal de partida no município de Santo Antônio de Leverger-MT, distante cerca de 30 quilômetros de Cuiabá-MT e 65 quilômetros da recepção de nossa repetidora. Na ocasião foi solicitado o apoio da Policia Militar de Gato Grosso em Santo Antônio do Leverger-MT, que prontamente deu todo suporte para que a situação ocorresse dentro dos aspetos legais. Ao chegar no local rastreado, uma chácara na zona rural da cidade, o caseiro autorizou a entrada dos policiais e foi identificado um rádio HT ligado e ativado na frequência de entrada da repetira PY9-MSJ.  De forma intencional o equipamento estava acoplado a um telefone celular que enviava ao HT um sinal intermitente na frequência de 146.110Mhz, com subton de 203.5 khz, justamente na frequência de recepção e abertura da repetidora, o que evidenciou a má fé do usuário.

O caseiro da chácara alegou aos policiais militares que  não tinha conhecimento de que havia tal aparelho causando interferência e relatou que os equipamentos eram de seu cunhado. O proprietário dos equipamentos é um técnico em eletrônica, conhecido de alguns colegas radioamadores. O mesmo foi chamado ao local pela Policia Militar e deu algumas explicações a respeito do ocorrido. Foi lavrado um Boletim de ocorrência na unidade de policia local e todas as foram informações anexadas à denúncia na Anatel através do site e uma cópia recebida pela delegacia de Polícia Civil local.

“O objetivo da LABRE  foi identificar o autor das ofensas e desmantelar o sinal que causava interferência em nossa repetidora, que é largamente usada pelos radioamadores da região. As possíveis sanções administrativas ou penais cabe a Anatel, que até o momento não se manifestou, mas acreditamos que o fará em breve” lembra o presidente da LABRE, radioamador Cláudio Guolo.

A LABRE agradece o apoio da 3ª CIPM de Santo Antônio de Leverger que nos auxiliou neste procedimento sempre com atenção aos aspectos legais, do flagrante do uso indevido do equipamento. Agradecimento também aos colegas que ajudaram na operação.

Equipe Labre-MT

Repeaters of AMRASE for 2016 Olympics coverage in the XLX 766 A VHF

We inform the amateurs who will visit the Olympic Games 2016 we are making available a network of repeaters DSTAR to better serve everyone.
Frequencies: Repeaters of AMRASE for 2016 Olympics coverage in the XLX 766 A
VHF
146.670 -600 C PY1MRE PY1MRE G Location: Morro da Pena – COVERAGE West Zone and
North Zone of
144.930 Simplex PY1JP C Location: Copacabana – Coverage – Zone South
146.950 -600 C PY1RSU PY1RSU G Location: Sumaré  – Zone Coverage – Central and part of north and south
 UHF
439.950 -5000 PY1RSU B PY1RSU G Location: Sumaré Morro Coverage – Downtown Area and part of north and south
439.875 -5000 PY1MRD B PY1MRD G Location: Serra do Mendanha – Coverage – West Zone and North Zone of
439.825 -5000 PY1MRH B PY1MRH G Location: Pico do Couto  – Coverage – Downtown Area and part of north and south
DCS766          xlx.amrase.org.br
REF766          xlx.amrase.org.br
XRF766          xlx.amrase.org.br
XLX766         xlx.amrase.org.br A to Peers
Modulo B Regional
Modulo C Regional
Modulo A international
E-mail:dstar@amrase.org.br
Informamos aos radioamadores que irão visitar os jogos olímpicos de 2016 que estamos disponibilizando uma rede de repetidoras DSTAR para melhor servir a todos.
Frequências: Repetidoras da AMRASE para cobertura das olimpíadas de 2016 no XLX 766  A
VHF
146.670 -600 PY1MRE C PY1MRE G Localização: Morro da PENA Cobertura- Zona Oeste e parte zona Norte
144.930 Simplex PY1JP C Localização:  Copacabana – Cobertura –  Zona SUL
146.950 -600 PY1RSU C PY1RSU G Localização: Sumaré Zona Cobertura –  Centro e parte zona norte e SUL
UHF
439.950 -5000 PY1RSU B PY1RSU G Localização: Morro Sumaré Cobertura – Zona Centro e parte zona norte e SUL
439.875 -5000 PY1MRD B PY1MRD G Localização: Serra do Mendanha Cobertura – Zona Oeste e parte zona Norte
439.825 -5000 PY1MRH B PY1MRH G Localização: Pico do Couto – Cobertura – Zona Centro e parte zona norte e SUL
DCS766          xlx.amrase.org.br
REF766          xlx.amrase.org.br
XRF766          xlx.amrase.org.br
XLX766         xlx.amrase.org.br A to Peers
Modulo B Regional
Modulo C Regional
Modulo A internacional
E-mail:dstar@amrase.org.br